Sete das 10 marcas que mais cresceram em 2020 são de alimentos

Coca-Cola foi a marca mais relevante pela nona vez consecutiva
23 junho 2021
brand footprint brasil
diretor
Elen
Wedemann

General Manager, Brasil

Entre em contato
Em 2020 as marcas tiveram que enfrentar grandes desafios para atingir o público brasileiro. De forma geral, a pandemia de Covid-19 e o isolamento social aceleraram algumas tendências que já trouxeram impactos para o mercado de bens de consumo massivo (alimentos, bebidas, higiene  e limpeza) e irão potencializar o desempenho das empresas do setor no futuro. O aumento das ocasiões de consumo de alimentos dentro de casa,  a simplificação das rotinas de beleza e higiene pessoal, a maior preocupação com a limpeza doméstica e a aceleração da experimentação do e-commerce  são algumas delas. 

Quem ganhou com essas mudanças foram as companhias do setor de alimentos, uma vez que sete das dez empresas que mais cresceram em alcance no país faziam parte da categoria. Os dados são do ranking Brand Footprint Brasil 2021, elaborado pela Kantar, empresa líder em dados, insights e consultoria. Realizado anualmente, o relatório mede a força das marcas dentro do território nacional. De acordo com o estudo, que analisou 290 empresas brasileiras, a Aurora foi a que apresentou maior crescimento de penetração na comparação entre 2020 e 2019, com alta de 11,8 pontos percentuais de penetração (p.p), o que equivale a 6,8 milhões de novos lares. Outros nomes que se destacaram foram Perdigão (10 p.p. ou 5,8 milhões de novos lares), Gallo (8,8 p.p., 5,1 milhões de novos lares), Seara (8 p.p., 4,6 milhões de novos lares), Hellmann's (7,5 p.p. 4,4 milhões de novos lares), Sadia (7,4 p.p., 4,3 milhões de novos lares) e Pullman (6,8 p.p., 3,9 milhões de novos lares).

Vale ressaltar o bom desempenho das marcas que oferecem  proteínas processadas, embutidas e congelados, alternativas mais baratas para o consumidor dentro do lar, num cenário de  isolamento e recessão econômica. A Perdigão entrou no Top 5, ficando na 4ª posição este ano pela primeira vez, subindo seis posições no ranking e aparecendo como a líder no setor de alimentos, seguida pela Seara (3º colocação), que atua no mesmo segmento e avançou nove colocações no total FMCG , se tornando a oitava marca mais escolhida pelos brasileiros. A tendência dos lanches rápidos em casa, de até 20 minutos de preparo, que se consolidaram em 2020, segundo estudo Consumer Insights  da Kantar, levaram a Hellmann´s  a crescer seis posições no ranking, alcançando a 37º colocação. 

Para determinar a relevância de uma empresa no mercado, a Kantar usa uma métrica original, chamada de Consumer Reach Points (CRP), onde se  multiplica o número de domicílios de um país pelo percentual de famílias que compram uma determinada marca e pelo número de interações (contatos) com a marca em um ano. Em 2020, a campeã foi a Coca-Cola – título que ela detém há nove anos. A multinacional apresentou força de 545 milhões de CRPs, com ganho de 8% em relação ao ano anterior. 

Outras marcas que se mostraram relevantes para o público brasileiro ano passado foram Ypê (533 milhões de CRPs), Italac (335 milhões), Perdigão (327 milhões) e Colgate (284 milhões de CRP’s).

Quase todas as marcas analisadas (99%) que cresceram no ranking conquistaram novos lares em 2020 e 35% conseguiram aumentar o número de vezes em que foram escolhidas pelo consumidor, o que mostra que  chegar a novos lares é fundamental para o crescimento das marcas, principalmente  num cenário de pandemia. "O universo de isolamento  social  é o momento das marcas capitalizarem ao máximo a busca por novos  lares.  A parte mais difícil desse processo é abrir a porta do lar para uma nova marca, mantê-la dentro de casa tende a ser mais fácil.", comenta  Elen Wedemann, General Manager da Kantar, Divisão Worldpanel no Brasil. 
O Brand Footprint  Brasil  é feito em 11.300 lares nas regiões Norte+Nordeste, Leste + Interior do Rio de Janeiro, Grande Rio, Grande SP, Interior de SP, Centro-Oeste e Sul, cobrindo 82% da população domiciliar, o que equivale a 90% do potencial de consumo do país.  Foram consideradas 290 marcas no Brasil.

Quer ler o relatório completo do estudo? Acesse aqui.

Entre em contato