Fechamento de 2021 traz mudança na dinâmica de canais de compra

Atacarejo e Pequeno Varejo foram os canais com melhor desempenho ano passado
10 março 2022
mulher escolhendo produto
mulher escolhendo produto para compra
diretora
Rafael
Couto

Shopper Solutions Senior Manager, Brasil

Entre em contato
A pandemia impactou diretamente o modo de comprar dos brasileiros. Durante os períodos de maior restrição social as compras de abastecimento e online registraram desempenho acima da média. Com o avanço da vacinação no país, a volta das atividades presenciais e a alta dos preços de alimentos e bebidas, o comportamento de compra do consumidor mudou e traz um novo perfil de compra no segundo ano da pandemia. 

A mais nova edição do nosso relatório Consumer Insights aponta importantes mudanças em 2021. Pela primeira vez nos últimos 3 anos, as compras de abastecimento representaram menos da metade do volume total comprado pelo brasileiro. Eram 52,6% em 2019 e caíram para 49,6% ano passado, dando lugar a compras de proximidade e urgência. E o comércio eletrônico não sustenta o ritmo acelerado e se estabiliza, num momento que os casos de Covid-19 diminuem e o isolamento social termina.

Os maiores destaques positivos de 2021 foram os canais atacarejo e pequeno varejo, que conquistaram maior número de novos lares ano passado. Atacarejo atingiu 73% das casas brasileiras, mas os novos compradores (26,6%) compram menos nesse ponto de venda. Apesar da predominância de compras maiores, o canal foi o que mais apresentou queda no número de categorias compradas no segundo semestre de 2021. Cresceu 12 pontos de penetração (hoje são 43,2 milhões de compradores) em comparação a 2020, mas registrou retração de 16% em volume comprado (atualmente 170 kg por ano por brasileiro), o que pode ser explicado pela alta dos preços e o malabarismo que esse novo comprador tem que fazer para equilibrar gastos. 

Canais menores e de proximidade também se fortaleceram no segundo ano da pandemia, evidenciando que conveniência é fator de escolha do consumidor na hora de comprar. O pequeno varejo conquistou 7,6 milhões de novos lares compradores em relação ao ano pré-pandemia (2019) e hoje representa o maior valor total gasto (23,6%) pelo brasileiro nos canais de compra de bens de consumo massivo (FMCG). Os canais de supervizinhança também registraram boa performance, alcançando mais 1,8 milhões de domicílios compradores, com destaque para o ganho de penetração no Estado de São Paulo, onde já atinge metade dos lares. 

O comércio eletrônico, que vinha em forte ascensão desde o início da pandemia em 2020, agora se estabiliza, num momento em que as pessoas voltam para as ruas. Foi positivo em ganho de penetração (3,6 p.p.) no último trimestre de 2021 em comparação ao mesmo período de 2020, mas negativo em unidades (-26,6%) no mesmo intervalo.

Vale salientar, entretanto, que o meio de acesso puro (venda através de site ou aplicativos próprios de players que só operam online) registrou incremento de 215,7% no 2º semestre de 2021 em relação ao 1º semestre do mesmo ano, e atacarejo foi um dos canais que mais contribuiu positivamente para o online no segmento não puro no 2º semestre.
 
Entre em contato
Conteúdos Relacionados
Omnichannel 2022 indica a volta dos padrões de compra pré-pandemia em todo o mundo, com e-commerce experimentando desaceleração
Inflação é o principal impedimento para a volta do consumo na América Latina
Embalagens econômicas ganham mais espaço no carrinho de compras para equilibrar gastos